IBGE acaba de divulgar os dados do IPCA (Índice do Preços ao Consumidor Amplo) de junho e novamente o segmento de móveis teve os preços reajustados acima do índice médio. Para uma inflação média de 0,4% o preço dos móveis subiu 0,47%. De janeiro a junho, porém, os preços dos móveis se mantém mais comportados. O IPCA médio foi de 3,75% para um aumento dos móveis na casa de 329%. Mas no acumulado de 12 meses os móveis tiveram aumento de 21% acima da média de inflação medida pelo IPCA, 7,88% ante 6,52%, respectivamente. O segmento de móveis que sofreu o maior reajuste em junho foi o de móveis infantis com alta de 3,35%, assumindo também o topo dos reajustes no acumulado do ano e do acumulado dos últimos 12 meses com 7,23% e 12,08%, respectivamente. Mas no acumulado de janeiro a junho e dos últimos 12 meses o segmento de colchões tem acompanhado de perto e de móveis infantis. registrando alta de 7,17% e 11,59%. respectivamente. Por outro lado, o segmento que se mostrou mais comportado em relação a inflação de junho foi o de móveis de sala com alta de apenas 0,10%. É também o segmento que acumulou menos elevação de janeiro a junho e no acumulado de 12 meses, com 1,84% e 5,76%, respectivamente.O IBGE pesquisa 13 regiões (Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Distrito Federal, Belém, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Goiânia, Vitória e Campo Grande). Em junho, os estados do Paraná, Bahia e Goiás (-0,16, -0,64 e -1,29%, respectivamente) apresentaram deflação no preço dos móveis. Por outro lado, as maiores elevações ocorreram nas regiões do Distrito Federal e Pernambuco com altas de 1,71% e 1,65%. No acumulado do ano, as maiores baixas ocorreram em Goiás e Espírito Santo com -0,21% e 0,9%. As maiores altas foram registradas no Pará e Rio Grande do Sul com 7,75% e 5,77%. E, finalmente, no acumulado dos últimos 12 meses as maiores baixas ocorreram em Goiás, com 2,8% e Rio Grande do Sul com 6,46%. Os campeões de alta de preços no período foram Pernambuco, com 11,47% e Pará com 11.23%.